22 de fev de 2011

Cada dia é uma pequena vida ...


CADA DIA É UMA PEQUENA VIDA...

Rosana Braga

Nos últimos 18 meses, especialmente, tenho buscado uma compreensão ainda mais profunda de mim mesma e, consequentemente, de cada alma que de mim, de alguma forma, se aproxima... Nesta jornada, tenho descoberto e confirmado, cada vez com maior lucidez, uma verdade que pode ser ótima (ou não) dependendo da forma como lidamos com ela: cada dia é uma pequena vida! Cada situação é uma encruzilhada. Cada passo é uma escolha que pode mudar tudo.
Talvez seja exatamente por isso que é tão difícil nos mantermos fiéis aos sentimentos que mais desejamos experimentar: alegria, auto-estima, gentileza, amor... Um passo vacilante... e tudo se modifica. O que era amor pode se transformar em ciúme, egoísmo, raiva, medo. O que era alegria pode se transformar em dúvida, desesperança, tristeza. O que era auto-estima pode se transformar em insegurança, agressividade, dor. O que era gentileza pode se transformar em intolerância, desistência, arrogancia.
Uma atitude, uma escolha... e tudo pode mudar!
E isso me faz lembrar da máxima Orai e vigiai.
Quando a gente ora, pede o que deseja, entra em estado de humildade, receptividade, esperança... Mas um minuto depois, é preciso que entremos em vigília constante. Somos passionais, motivados por reações.
Ainda não aprendemos a ponderar.
Reagimos automaticamente a partir de crenças limitantes, de preconceitos e defesas internas. Reagimos: este é o problema. Precisamos começar a agir. Sempre agir.
Cada passo precisa ser uma ação consciente, atenta, lúcida.
E para que isso se torne possível, só há uma maneira: treino, prática, repetição... dia após dia até que se torne hábito. Só podemos destruir um velho hábito que já não nos interessa se no lugar dele construirmos um novo, que revele uma nova direção, um novo caminho.
Os sentimentos difíceis continuarão dentro da gente, mas em vez de reagirmos a eles, podemos decidir por uma nova ação.
Em último caso, tenho feito assim: quando ainda não sei qual a nova ação que posso ter diante de um sentimento difícil, opto pelo silêncio.
Respiro fundo, entro em contato com o que estou sentindo, reconheço que estou me deixando atingir pelo que está acontecendo e simplesmente espero, em silêncio, até que consiga encontrar, dentro de mim, uma nova maneira de agir diante de velhos sentimentos. E assim, de vida em vida, um dia de cada vez, pretendo acordar amanhã mais positiva do que fui hoje...

Um comentário:

  1. Happy... somos assim mesmo... mutáveis, variáveis e dependemos de humor e reações às nossas ações. Felizes e bem resolvidas seremos quando entrarmos no tal equilíbrio - que buscamos durante o percurso - e nada mais nos perturbe ou altere nossas ações.
    Ainda somos humanas... apesar de querermos ser divinas!
    Então, deixemos de lado essa cobrança da divindade para que ela possa nos possuir naturalmente, se incorporando a nós.
    Somos pessoas amáveis!!! - fáceis de amar - e isso é um TUDUDIBOM!!!
    E vamos indo, "de vida em vida" nos aperfeiçoando...rs
    Muito legal a postagem, adorei!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para o CANTO CIGANO.
Diga-nos o que achou desse post.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...