10 de out de 2014

A ALMA E O CORPO

A ALMA E O CORPO



A minha alma cansada do eterno ócio
Bravo e nobre e esmero Vento Leste
Consegue à garupa se montar e tal
D. Quixote de la Mancha disparar
Envolve na paixão jamais vivida
Forma informes pensamentos
Gesticula danças divinas até êxtase…
Havia uma fogueira no centro
Imagens e sombras entrelaçadas
Jamais o Morfeu foi tão longe com o Hipnos
Levando minha alma imaginar tão alto
Mas de repente a realidade vem para  
Neste corpo ocioso a minha reclamar novamente
O ócio latente que me faz sentir impotente
Perdido no labirinto de Hades
Que me faz sentir o nada em que
Reduz a vida de uma alma vagabunda
Sempre presa num corpo amordaçado…
Terei um dia asas como tu Vento Leste
Unicamente para sair desta cadeia e….
Voar, voar e voar tal Ícaro enamorado pela luz  
Zarpar rumo aos céus na certeza de viver a eterna liberdade!

João Furtado
Praia, 10 de Outubro de 2014
http://joaopcfurtado.blogspot.com

4 comentários:

  1. Parabéns nobre poeta!
    Querido João Furtado...
    Muito sublime a sua primeira participação
    aqui no nosso Canto Cigano!
    Mil aplausos para este poema esplendoroso ...
    Um poema belíssimo do começo ao fim...
    Para ler e reler!
    Uma tarde de paz
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. J anete Sales Poetisamiga
      A gradeço de coração seu comentário
      N a certeza que esforçarei
      E continuarei a pedir de Deus
      T oda a inspiração e inteligência
      E assim poder continuar a escrever!

      Bom final de Semana e muito obrigado!

      Excluir
  2. Optchá!
    Belíssima poesia!
    Inspirado, delicado, lírico.
    Para ler e reler!
    Saudações!

    ResponderExcluir
  3. Cigano João fiquei muito feliz em saber que agora Vc tem a sua própria página no Canto Cigano. Parabéns!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para o CANTO CIGANO.
Diga-nos o que achou desse post.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...