27 de out de 2014

BAILARINA



MARINA DA PAZ


Malha, saiote,
Sapatilha e purpurina.
Dança, pirueta,
Baila, alma-menina.

Sob Lua argentina,
Noites ensolaradas,
Madrugadas estreladas,
Manhãs cristalinas...

Baila, baila. Adora sua oficina.
Baila, sangra. Rigorosa disciplina.
Baila, encanta. Meiga menina.
Baila, enleva. Nômade bailarina.

Feliz segue. Será esta a sua sina.
Atenção! Próximo espetáculo!
Laços de cetim, chapéus de cartolina.
Mágicos, malabares, trapezistas.

E o Palhaço? Corre! Rouba um ósculo...
Da fada que verseja com os pés.
Apaixonada, ela rodopia e levita.
Lamparina...És o que és...

Corpo. Matéria de sonhos.
Ação, lei natural.
Docemente, desvelará...
Aquarelas da escala musical.
Ascensão... Espiral... Espiritual...

Sem rima.

Bailarina.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para o CANTO CIGANO.
Diga-nos o que achou desse post.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...