5 de nov de 2014

Somos só um em corpos diferentes


Quando você disse que eu era você
Eu sorri e duvidei...
Como posso ser alguém que nunca encontrei?
Suas palavras atravessaram a janela do meu olhar
E de imediato elas foram te desenhando dentro de mim...
Eu tive a sensação de que sempre foi assim
Em pouco tempo eu te sentia em todos os dias que nasciam
Eu te sentia no anoitecer e nas estrelas que os meus olhos viam
Então algo inusitado aconteceu e eu nem pude crer...
Comecei a sentir que eu era você...
A sua face sempre surgia no meu horizonte...
Ficamos inseparáveis; como água e fonte!
Cada vez mais eu queria sentir a sua presença em mim...
Porém chegou o momento da separação...
Hora em que você estava impregnado no meu coração...
Dor indomável...


Se eu era você deveria ser fácil...
Era só te sentir nos meus poros, no meu olhar e em minhas mãos!
Inutilmente rasguei o peito para te achar...
Desespero e tentativas em vão...
Eu te queria em mim e a saudade nasceu sem compaixão!
Ao te procurar no céu da minha vida a lágrima foi doida...
Os meus olhos não te viam ao te buscar nas manhãs que nasciam!
Se você acabou, eu também acabei; morri na sua ausência...
Eu sou você na essência e o meu pensar não tem obediência...
Quero o seu olhar invadindo as profundezas do meu ser
Quero a sua voz dizendo que eu sou você...
Que somos só um em corpos diferentes
E que somos tão iguais que o amor nos unirá para sempre!

Janete Sales Dany

Licença Creative Commons
O trabalho Somos só um em corpos diferentes de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para o CANTO CIGANO.
Diga-nos o que achou desse post.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...