20 de nov de 2011

Tão amável avó Maria...by Dany

Meu nome é Maria como tantas outras Marias
Antes só alegria; hoje só melancolia
Fiquei viúva muito cedo e com minha filha eu sempre morei
Então ela se casou e com ela na luta eu continuei

Lembro-me do nascimento do meu primeiro netinho
Emocionei-me muito quando coloquei 
em meus braços aquele anjinho
Todo mundo sabe que pelos netos 
as avós sentem o dobro de carinho
Eu só tive uma filha, feliz eu fiquei de ver nascer dela 
aquele frágil homenzinho

Ele chorava de noite e logo diziam:
- Chamem a vovó Maria!
Eu chegava com meu amor de avó 
e transformava o choro em calmaria
Enquanto a minha filha trabalhava, 
todos os dias do meu neto eu cuidava
Fui a muitos passeios com eles 
e sempre nos meus braços ele estava
Então o menino cresceu 
e da vovó Maria ele já não mais precisava

Comecei a sentir uma estranha mudança, 
antes eu era importante naquele lar
Já não me levavam aos passeios,
a razão era porque andava muito devagar
Na sala eu me sentia isolada, 
ninguém do meu lado queria sentar
Até nas conversas não tinham paciência de ouvir 
o que eu tinha para falar
Diziam: -Deixe a avô Maria maluca para lá, 
já está caduca ou vai caducar!

Eles não entendiam que o que eu mais queria 
era um pouco de atenção
Eu queria dar para eles o meu amor de avó 
e de mãe que eu carregava no fundo meu coração!
Eu nunca deixei eles verem as minhas lágrimas, 
eles nunca me viram chorar
Ingratidão de neto e de filha é muito triste, 
não queiram imaginar

Num dia bem cedinho pegaram a minhas coisas 
e levaram para um quartinho
Quarto que se guardam tranqueiras, 
meu coração ficou triste e apertadinho
Não me deram se quer uma única explicação, 
para eles a minha solidão seria a solução!
Foi á noite mais triste da minha vida, 
doeu muito àquela separação!

Não tinha acesso mais a cozinha 
e nem podia ir á sala ver televisão
Estava no quarto das tranqueiras, 
das coisas velhas curtindo a minha aflição
Um dia criei coragem e do meu sofrer 
para minha filha eu fui falar
Então no meu rosto ela deu um tapa
vi naquela hora o meu mundo desabar

Depois deste dia era normal a minha filha me agredir
Muitas vezes sentindo muito medo eu pensei até em fugir
Mas seria loucura eu não tinha para onde ir!
O meu quarto sempre foi solitário e úmido,  tive  então como
resultado um reumatismo que passou a me consumir
Era só o começo do pesadelo que estava por vir

A doença me jogou numa cama, 
então contrataram uma mulher para cuidar da avó Maria!
Agora sim ficou muito pior, 
de dia eu apanho da mulher e a noite da minha filha!
Estou num desespero, esperando a morte me levar
Mataram em mim todos os sonhos 
até o direito de existir e amar!

Sou tranqueira jogada num canto, 
a minha vida hoje é tão triste e vazia
Mais durmo do que acordo, 
eu me entreguei a este ambiente de melancolia...
Às vezes na minha insanidade 
surgem imagens antigas,
me fazendo lembrar 
que um dia 
eu fui para eles...
 
à tão amável avó Maria 

Janete Sales(Dany)

Retrato (Cecilia Meireles)

2 comentários:

  1. NOSSA DANY.
    que lindo essa postagem adorei muito,
    o videio.
    prbns DANY.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Luiz!
    Grande amigo,
    você está sempre presente nos comentários
    dos meus posts, muito obrigado mesmo de coração!
    Saiba... que você é sempre bem vindo!
    Obrigado mais uma vez!

    Abraços
    Dany

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para o CANTO CIGANO.
Diga-nos o que achou desse post.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...