27 de dez de 2014

CANDELABROS – UM CANTO DE NATAL

MARINA DA PAZ

Altar interior e o altar para a Família, prontos. Véspera de Natal.
Marina que aporta emoções, direcionadas para o altar do Altíssimo.
Tranquilidade de Consciência. Paz em gotas. Perfume suavíssimo. Cristal.
Pétalas alvas orvalhadas afagam corações; desertos, cactos e pedras de coral...

Desce, renova, transmuta. Labaredas saem de minha língua, como um encanto.
Êxtase. Notas musicais coloridas. Secam a sua dor, emudecem o seu pranto.
Rios de mansidão buscados? Achados. A felicidade e a paz incorporadas. Canto!
Candelabros marcam em épocas, a Divina Presença: o Fogo do Espírito Santo.

Árvore da vida. Thuya. Templo de Salomão. Sephirot. Oh, Shekinah!
Encontro-te no delineio dos meus brincos, pulseiras, lustres, abajures.
Nos volteios percorridos pelo meu ventre, dançando para Alah!
Encontro-te entre os anjos, os mestres, na chama, no sangue, na luz, e alhures...

Na reverência ao altar, pela Tradição.
O cacique do cocar de penas brancas,
Levezas metatrônicas, distribuídas do alto até o chão...

Na presença da Mãe Cigana, de mimos me cobriu e enriqueceu meu coração.
Na troca generosa, justa medida cigana. Na benção da colheita, em multiplicação...
Ruth, Sara, Jacobé, Maria Salomé, Maria de Cleófas.  Sant’Anna...Shakti.

No pequenino monge tibetano em seu manto vinho, de capuz marrom.
Bolinha de sabão. Vem se anunciar: Meditar...Sereno Lótus, em levitação...
Candelabros cor de vinho, caminhos desenhados por ele em meu ventre.
Fertilizada. Grávida de toda Terra. Em minutos, a parir, um novo ano.

- Menina-Mulher, tome posse! A Terra é sua! Caminhe, navegue, levite ou voe.
Temperança, dedicação, frugal alimentação, permitiram aproximação com quem amo.
Encontre-me! Serei seu filho, seu herdeiro, seu sucessor. Em Família...
Já vim! Desta vez, outra mensagem, sob a meiga roupagem de menino cigano...

Abruptamente desperto. A cachorrinha pulou e se aninhou em mim.
Repousa entre meus seios. Adormece, em meio ao meu coração...

VIDA! Amor a todos os homens, todos os seres viventes e a todo tipo de geração.
Emocionada, sinto-me abrasada e quente...Receptáculo. Vaso. Jarro.
Jorro. Sangro...Vida! O vinho do cálice sagrado do útero: Menstruação.

Candelabros... Nos raios solares, também na cauda congelada do cometa.
Na dança do ventre, na vegetação, nas linhas telúricas do planeta...
Na areia. No cristal. No castelo e no casebre de madeira. No templo e na cama.
Dionisíaca ou apolínea. Lenço-Labareda. Fogo Puro. Eu Sou...Ígnea Chama!

Sigamos... Tsiganos e o Pão da slava diária...
Sal da Terra...21. Reflete... A cortar o mal do isolamento...
Cristaliza o sabor do Amor: Chama e Ouro Sagrados.
Traço geométrico; Às bodas de Dhiel? Sim, me abro num abraço!

- Vá, Menina-Mulher. Sua função é falar! Promover!
Pérola de amálgama, recente e amolecida, como conto cigano exibida.
A todos os irmãos da face da Terra uma rogativa... Eterno Canto de Natal...
Vivamos. Deixemos viver. Sejamos...Candelabros!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para o CANTO CIGANO.
Diga-nos o que achou desse post.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...